Resenha do Grito Rock (1º dia)

Segue a primeira resenha dos três dias de festival Grito Rock Brasília. As fotos oficiais, tiradas pela equipe da Esquina, serão postadas até domingo.

Dharma Burns (PA)

Texto por Eduardo Oliveira
fotos por Gabriela Masson

A noite de sexta caiu e chegou a hora do primeiro dia do Grito Rock Brasília. No estacionamento 9 do parque da cidade vários vendedores ambulantes e carros de cachorro quente entregavam que um grande número de pessoas passaria pela praça das fontes do parque da cidade naquela noite. Antes mesmo do horário anunciado as primeiras pessoas já chegavam ao local, devidamente providas de seus isopores cheios de cerveja.

Pontualmente às 20h, a banda 14 se muniu de seus instrumentos para dar o pontapé inicial. Mesmo se apresentando para um público ainda tímido, mas cheio de amigos, a 14 fez o show como se estivesse tocando para uma arena lotada. O grupo estava especialmente feliz por tocar no mesmo dia do Black Drawing Chalks, influência confessa. No fim da apresentação um número considerável de pessoas já assistia ao show e aplaudia a banda.

A atração seguinte veio de Taguatinga, representando o Coletivo Cultcha. A Vitrine se encarregou de continuar aquecendo o público, que não parava de chegar. O som da banda lembra o rock nacional dos anos 80, aditivado por guitarras bem sacadas que remetem a bandas modernas como The Strokes e Bloc Party.

A primeira atração de fora foi a banda Dharma Burns, de Belém. O público estava disperso no começo do show, mas bastaram algumas músicas para vários curiosos irem para perto do palco prestigiar o brit rock da banda paraense. “Nosso primeiro plano para 2010 era vir para Brasília.  Estamos muito felizes por estar aqui”, revelou o vocalista.

Lafusa (DF)

O Lafusa subiu no palco com um público bem maior e atento ao que rolava no palco. A banda fez um show cheio de emoção. A entrega dos músicos no palco foi notável, deu para perceber que o quinteto estava empolgado de tocar em um evento ao ar livre para um número de pessoas bem acima da média do que se costuma ver em Brasília. A apresentação teve até direito a bis e a um sofrível número de dança do tecladista e guitarrista Samyr Aissami.

Os baianos do Vivendo do Ócio já começaram o jogo com a torcida ganha. Antes mesmo do show começar um grande número de pessoas já se aglomerava na grade para ouvir o som arcticmonkeyano da banda. Muita gente sabia de cor as letras de todas as músicas. E eles corresponderam ao interesse do público, fazendo um show bem animado. O quarteto estava mesmo curtindo o show. Pra não deixar dúvidas, lá pelo fim da apresentação o guitarrista Davide soltou um “Esse está sendo um dos melhores shows que já fizemos”. O grupo fechou a apresentação com o hit Mônica, que fez a banda levar um prêmio no MTV VMB do ano passado.

Black Drawing Chalks (GO)

Mas o grande momento da noite ainda estava por vir. A chuva de verão que começou a cair durante o show do Black Drawing Chalks não foi suficiente para espantar o público, que se manteve hipnotizado durante toda a apresentação da banda. My Favourite Way, eleita melhor música nacional do ano pela Rolling Stone Brasil, levou o público ao delírio. Big Deal, que já vinha sendo pedida pelos fãs desde o começo do show, fechou o setlist da banda. Mas os goianos mal chegaram ao backstage e já tiveram que voltar ao palco para atender aos pedidos de bis. Mais duas músicas foram suficientes para satisfazer o alucinado público, que a essa altura já contava com “rodas de pogo”, gente no ombro dos amigos e outros se jogando e sendo carregados pelos braços do público. A satisfação da banda foi tanta que eles até agradeceram em seu twitter: “MUITO OBRIGADO Brasília!!! Ontem foi lindo, praça cheia, todo mundo cantando My Favorite Way INTEIRA, sem palavras…”. A gente é que agradece!

Segue a primeira resenha dos três dias de festival Grito Rock Brasília. As fotos oficiais, tiradas pela equipe da Esquina, serão postadas até domingo.

Por Eduardo Oliveira

Anúncios

Sobre Coletivo Esquina
O Coletivo Esquina surgiu voltado para atender o cenário musical indepentente de Brasília e também responder por um dos pontos da cidade vinculados ao Circuito Fora do Eixo.

2 Responses to Resenha do Grito Rock (1º dia)

  1. Denis Dec says:

    Entao mais uma vez:
    Muito obrigado Brasilia! vcs foram do caralho!
    o show foi no mínimo estimulante…rs
    ahahahah
    obrigado pessoal do coletivo esquina tambem q chamou a banda!
    esperamos voltar logo!

  2. Kapassa 14 says:

    Esse Grito Rock foi do caralho velho!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: