Festival Martelada: diversidade musical foi atrativo da noite de estreia

Por: Marcus Vinicius Leite

Em plena quinta-feira (20) os presentes no Gates´s Pub puderam assistir uma verdadeira aula de como se fazer um bom evento. Desde sua concepção, o Festival Martelada -que acontece em paralelo com o Bananada de Goiânia – indica novos rumos ao cenário musical brasiliense.

De um lado, a banda Velhos e Usados que trouxe tomou pra si a responsabilidade de serem agitadores culturais. Do outro, o Coletivo Esquina, ponto intregrante do Circuito Fora do Eixo em Brasília, que mostrou cacife ao produzir o Grito Rock Brasilia 2010.

Quem  ganhou com essa parceria foi o público que viu (e ouviu) os mais diversos sons em uma noite fria e bem aproveitada.  “Vim de Taguatinga para ver o que ia rolar aqui, quero ouvir coisas novas e achei massa a proposta de unir estilos tão distintos” afirmou Ricardo Mota .

Velasquez (DF)

Velasquez (DF)

O ponta-pé inicial se deu com a banda Velasquez, vencedora da seletiva Martelada x Projeto Caça-Bandas. Com uma proposta simples e direta: fazer música pelo puro prazer de fazer música. “A gente concorreu nas votações e fez campanhas para estarmos aqui. Aqui(Gate´s Pub) é referência e um bom local foi muito gratificante abrir o Martelada” afirmou Isac Moraes, guitarrista.

A formação com três guitarras, sem ser necessariamente pesado, e a ausência de um vocalista principal já torna a banda peculiar em seu melhor estilo. As diferenças entre os integrantes no que diz respeito à formação musical e à opinião sobre assuntos diversos têm função vital na formação das idéias e da sonoridade tão característica.

Para ouvir: http://www.myspace.com/brvelasquez

Logo após veio a gurizada do Korina, que na voz de seu menestrel Guilherme Cobelo mostrou o  primeiro EP da banda Todo mundo vive reclamando da minha falta de assunto (2009) e um repertório com letras que passeiam e flertam (bastante) entre a sensualidade ácida de David Bowie e a beleza simplista de Belchior.

” Tocar aqui foi bacana porque o Martelada é um evento que está recheado de boas atrações e isso só agrega valor ao nosso trabalho e sentimos honrados em estarmos aqui ”  afirmou Kelton Gomes, guitarrista. Em certos momentos, dava-se como certa a presença de Rauzito e sua trupe ali no palco do Gate’s. Pra quem não conhecia o som, foi um prato cheio aos amantes da boa música folk. A próxima parada da trupe é em Taguatinga(DF) em 11 de junho.

Korina (DF)

Korina (DF)

Para ouvir: http://www.myspace.com/korinakorina

Já os paraíbanos do Sex On The Beach nos levaram ao surf music num estalar de dedos. O power trio chegou, levantou olhares suspeitos: já que era a primeira vez em Brasília de uma banda de rock de Campina Grande. ” A questão das musicas intrumentais vem das viagens que eu fazia. Garimpava as bandas e seus instrumentistas e misturamos com o rockabilly e vimos que ficou muito bom afirma Diogo Pafa. Mas, logo retirou toda aquela dúvida inicial. Riffs poderosos e uma cozinha de fazer inveja, o instrumental brindou os candangos com uma espécie de Fórrock e fez a a galera gritar e pedir bis.

Para ouvir: http://www.myspace.com/sexonthebeachsurf

Já era madrugada quando o inusitado Gilbertos Come Bacon subiu no palco. “A gente chegou com um monte de bandas diferentes e a gente veio contribuir com a diversidade, tivemos caras novas em nossos shows e foi muito divertido” afirmaram  João Angelini, Andre Valente e Eduardo Cayrã. A estrutura foi pequena para os oito componentes dessa banda que misturaram o  Hardcore + ritmos brasileiros + letras desbocadas. Resultado? Olhos esbugalhados ao ver tamanho sincronismo e comprometimento. Sem dúvida um showzaço!

Sex on the Beach (PB)

Sex on the Beach (PB)

Gilbertos Come Bacon (DF)

Gilbertos Come Bacon (DF)

Para ouvir: http://www.myspace.com/gilbertoscomebacon

Pra fechar a noite, o Nublado também da Paraíba, fez sua estréia em palcos candangos. Nem um ano completo de existência e já fazem um som pop substancial inspirado no moderno post-punk britânico e no indie rock americano, seguindo, por exemplo, uma mesma linha como os brasucas do Superguidis e do Phonopop gostam de abordar. ” Nesta invasão paraibana junto com o Sex on The Beach estamos muito felizes em estar aqui. Essa é a prova de que podemos chegar a qualquer lugar ” Fábio Viana, vocalista.

Nublado (PB)

Nublado (PB)

Para ouvir: http://www.myspace.com/bandanublado

Quem ganhou nisso tudo foram as pessoas que estiveram por lá.  Na procura por boa música acreditou na  parceria proposta do Coletivo Esquina/Velhos e Usados num Gate´s Pub que ficou pequeno para  martelada que ficou em nossas cabeças.

Anúncios

Sobre Coletivo Esquina
O Coletivo Esquina surgiu voltado para atender o cenário musical indepentente de Brasília e também responder por um dos pontos da cidade vinculados ao Circuito Fora do Eixo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: