Trivoltz (Go) toca no Lançamento do Grito Rock Brasília 2011

para um festival tão especial uma noite especial
esta é a noite fora do eixo especial grito rock 2011

VEJAM O TRIVOLTZ http://www.myspace.com/trivoltz

Sonoridade moderna, guitarras inundadas em delays, baixo carregado de big muff e enérgicos grooves de bateria, esse é o álbum de estréia desse power trio goianiense. Gravado e mixado por Gustavo Vazquez – RockLab e masterizado por Dan Coutant – NYC-USA. Atendendo aos remanescentes do clássico vinil e aos órfãos de vitrola da geração CD, o álbum é composto de um lindo vinil 12.. com a última tecnologia em vinil, o método “recording feedback”, e um CD Bônus, todo material foi prensado em uma das maiores fábricas de vinil do mundo a GZ Vinyl localizada na Republica Tcheca.

trivoltz na festa Noite Fora do Eixo de LANÇAMENTO DO GRITO ROCK BRASÍLIA

trivoltz na festa Noite Fora do Eixo de LANÇAMENTO DO GRITO ROCK BRASÍLIA

““O power trio goianiense faz, ao mesmo tempo, crítica e meia culpa sobre a sociedade de consumo contemporânea. O recado deles ganha maior intensidade com os cortantes riffs de guitarra que remetem diretamente ao pós-punk inglês” (Revista Rolling Stone Edição #46 – Coluna Ouça Também – música CONSUMO-TRIVOLTZ)

“A conterrânea Trivoltz tocou no Goiânia Noise de 2009, e parece que agradou. Ela lançou um CD, e um vinil para os apaixonados pelos bolachões, paralelamente ao Bananada. O baixo bem marcado, e uma guitarra tocada com a devida paciência e profundidade, lembra Muse. O som é comovente e pesado.” (Diário da Manhã – Edição 8255 – Escrito por Marcellus Araújo em 15/06/2010)

TRIVOLTZ NA NOITE FORA DO EIXO ESPECIAL GRITO ROCK

TRIVOLTZ NA NOITE FORA DO EIXO ESPECIAL GRITO ROCK

“Outro destaque do Bananada foi a sergipana Plástico Lunar … Vale a pena prestar atenção neles. Assim como na Trivoltz, de Goiás, que masterizou seu LP (vinil mesmo) em Nova Iorque e o prensou na República Tcheca.” (Revista Rolling Stone – Novas, Escrito por Cristiano Bastos em 24/05/2010)

“Ao contrário do terror do Capim Pub, o Metrópolis teve em suas três bandas momentos calmos, variando entre a psicodelia e o instrumental bem feito de bandas como o Trivoltz. A banda estava bem ensaiada e o show foi tão bem feito em sua execução que, do lado de fora, parecia se tratar de um CD e não de uma banda. A escolha das letras, sobre amor e desilusão, encaixam-se perfeitamente na estética musical da banda.” (www.fosforocultural.com.br – Escrito por Aline Mil em 27/05/2010)

Anúncios

Sobre Octavio Schwenck Amorelli
geógrafo músico cineasta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: